Big Thief

O talento para a composição da vocalista e guitarrista Adrianne Lenker é central no indie rock vulnerável dos Big Thief. Nascida no seio de um culto religioso em Indianápolis, Adrianne passou a infância na estrada, levada pela mão dos pais, então músicos itinerantes e sem rotas. Uma experiência que a resultou na escrita da primeira música aos oito anos de idade. Como adolescente começou a lançar material a solo, mas foi quando chegou a Nova Iorque que se uniu ao guitarrista Buck Meek, com quem fez dois EPs em 2014, antes de transformarem a dupla em quarteto com a adição do baixista Max Oleartchik e do baterista James Krivchenia.

“Masterpiece”, o álbum de estreia, chegou em 2016, o ano que também os viu fazer aparições no South by Southwest e ser banda de suporte de diversas digressões. O segundo trabalho, “Capacity”, foi gravado durante um Inverno de neve e editado em Junho de 2017. O antecipado registo – que integrou várias listas de melhores discos do ano – é um conjunto de histórias intensas e ambíguas que tanto exploram dores de tristeza como de alegria; temas de rendição e violência, mas também de conforto; perigos e recompensas da entrega e das relações humanas. Uma obra sobre a capacidade dos seres humanos se amarem descrita pela NPR como com um conjunto de “músicas de carne e alma, intemporais e memoráveis”.

Com as letras e voz vívida de Lenker, ora aveludada ora acutilante, o trabalho cuidadoso da guitarra de Buck Meek, ora gentil ora assertivo, e a pesada secção rítmica de Max Oleartchik e James Krivchenia, os Big Thief criaram um nicho que é só deles, definido pela dualidade dos momentos que marcam a vida, numa espécie de rendição à beleza que se pode encontrar no caos.

topo

Cartaz